2004 Subway 500 em Martinsville

 

Jimmie Johnson em Martinsville em 2004
A vitória na etapa de Martinsville - e depois em Atlanta na semana seguinte - na temporada 2004 colocou Jimmie Johnson na história de Hendrick muito antes do primeiro título

Não tem jeito, basta a Nascar chegar à segunda etapa do ano em Martinsville para que a famosa história da corrida de 2004 seja recontada. Com todo respeito, mas isso virou até clichê. De qualquer forma, como eu ainda não tinha contado essa história aqui no blog, reservo-me ao direito de escrever sobre para quem não a conhece, aproveitando a corrida deste domingo, dia 24.

A etapa de Martinsville em 2004 era a sexta corrida do primeiro Chase da então Nextel Cup. O pole-position foi Ryan Newman, que manteve a liderança nas primeiras voltas. A corrida em si foi típica de um oval curto, com muitos acidentes e bandeiras amarelas, por isso, pilotos como Dale Jarett e Elliott Sadler tiveram um dia difícil. Outro que se acidentou foi Dale Earnhardt Jr, que teve problemas nos freios depois de ser envolvido em uma batida com outros carros. O então piloto do carro número 8 abandonou a prova e perdendo qualquer chance de título, já que ocupara o segundo lugar na tabela de pontos antes da corrida.

Nas útlimas voltas, Jimmie Johnson assumiu a liderança e manteve uma distância segura em relação aos adversários para receber a bandeira quadriculada em primeiro. Jamie McMurray, um dos especialistas nessa pista, terminou em segundo ao superar Newman na volta final.

Tão logo Johnson cumprimentou a equipe no rádio pelo bom trabalho em conseguir a segunda vitória consecutiva na Nextel Cup, o piloto ouviu do chefe de mecânicos, Chad Knaus, para que não comemorasse a vitória e, ao invés de dirigir-se ao Victory Lane, trouxesse o carro de volta para a garagem e fosse para o trailer da equipe. O piloto obedeceu prontamente e assim que chegou no pitlane, foi informado que o avião da equipe Hendrick, que se dirigia para Martinsville, havia caído.

Na aeronove estavam dez dirigentes do time. Entre eles, John Hendrick, irmão de Rick Hendrick – o fundador da equipe -, que comandou a equipe entre os anos de 1997 e 1999 quando o “chefe” precisou se afastar por motivos de saúde; e Ricky Hendrick, filho de Rick, que tivera uma breve carreira como piloto na Nascar, antes de dedicar-se a empresariar o time e ao novato Brian Vickers, depois de um grave acidente em 2001. Aliás, era para o próprio Rick estar no avião, mas novamente a saúde do dono do time o impediu de viajar para acompanhar mais uma corrida.

Por conta da tragédia, a Nascar permitiu que a equipe não comemorasse a vitória. Ao invés do carro número 48, no Victory Lane estava Jim Hunter, diretor de comunicação da Nascar, que explicou ao público o motivo de não ter festa. Segundo Hunter, as autoridades perderam o contato com o avião da Hendrick que ia para Martinsville, com dez membors da equipe à bordo.

Jeff Gordon
Os carros da Hendrick homenagearam os integrantes mortos no acidente

Sete dias depois da tragédia, a Hendrick Motorsport estava pronta para correr em Atlanta, na sétima etapa do Chase. O próprio Jimmie Johnson revelou ao site da Nascar que não sabia como a equipe tinha se recuperado em tão pouco tempo e estavam em condições de competir. Afinal, todos os integrantes perderam colegas de longa data, ao passo que Rick perdera dois parentes próximos. É claro que o time não ignorou o acontecido em Martinsville. Os quatro carros da Hendrick homenageavam os dez membros falecidos com a inscrição “Always in our hearts”, além das fotos dos integrantes no capô.

Ao final da corrida, Jimmie Johnson conquistou a terceira vitória seguida na Nascar, emocionando os membros da Hendrick e os fãs da categoria. Até mesmo o mecânico-chefe do carro número 48, Chad Knaus, normalmente reservado quanto às emoções, mal conseguia segurar as lágrimas. De volta ao Victory Lane, Johnson comemorava, ao lado dos companheiros Jeff Gordon, Kyle Busch e Brian Vickers, efusivamente uma das vitórias de maior significado na história da Nascar.

Jimmie Johnson comemora vitória em Atlanta
Jimmie Johnson comemora vitória em Atlanta. E o piloto entrou para a história

Dois anos antes de conquistar o primeiro título e há cinco do inédito tetracampeonato consecutivo, Jimmie Johnson entrara definitivamente para a história de Hendrick Motorsport, mesmo que viera a perder o campeonato para Kurt Busch por apenas oito pontos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s