Traçado da pista de Yeongam, na Coreia do Sul
Eu sempre penso em uma galinha quando vejo o traçado da pista coreana. Curiosidade à parte, as três retas e o misto são em pontos bem definidos

Ok, enfim estamos na semana do primeiro GP da Coreia do Sul e parece que ele realmente irá acontecer. Nos últimos meses, o atraso nas obras de Yeongam colocou em cheque a realização da corrida. A FIA postergou ao máximo os prazos para o cumprimento do cronograma para que a etapa pudesse acontecer. É difícil falar se está tudo pronto por lá, acredito que nesse momento ainda estejam fazendo alguns ajustes na pista e alguns pontos da estrutura – como os boxes e área de bastidores – deverão ser feitos na improvisação.

O traçado coreano é tipicamente uma pista feita por Hermann Tilke, onde retas e fortes freadas dividem o espaço. No caso de Yeongam, metade da pista (entre a linha de largada e a curva 4) é formado por uma sequência de retas, enquanto a outra metada (curva 4 a 18) é um trecho misto com pontos deveras travados.

Eu fico curioso para saber se as três retas seguidas vão funcionar. Em Interlagos, dá certo e é justamente onde se localizam os pontos de ultrapassagem da pista brasileira. O grampo da curva 4 coreana parece bastante interessante, além da ideia de uma curva circular para fechar o circuito – como acontece em Monza, mantendo as devidas proporções – parece ser uma boa escolha.

Apesar das três retas, as equipes têm falado que os carros vão precisar de bastante downforce. Se isso se confirmar, a Red Bull é favorita para mais um passeio, assim como aconteceu em Suzuka. No meio da semana, porém, Mark Webber e Karun Chandhok disseram estar preocupados com a possibilidade dos taurinos não conseguirem chegar à curva 4 na liderança, após a largada.

Explico: o carro do líder do campeonato tem como ponto forte as pistas que precisam de downforce. Em Yeongam, eles devem levar vantagem na segunda metade da pista. Já no primeiro setor, com as três retas, podem perder para alguém que tenha um acerto favorável a esse trecho de alta velocidade. Na largada, com os carros próximos, esse adversário pode se aproveitar dos longos trechos retilíneos e assumir a liderança. Como na parte travada não deve haver ultrapassagens, a Red Bull sabe que esse é o cenário em que podem perder a corrida.

As duas únicas ameaças aos taurinos são Ferrari e McLaren. A equipe de Maranello conta com o bom desempenho recente nas pistas de alta velocidade, enquanto a McLaren carrega o pioneirismo no duto frontal como o trunfo para surpreender na reta final do campeonato.

De resto, a Renault é uma séria candidata a surpreender, a Mercedes pode fazer um bom trabalho, e a Williams corre por fora para conquistar mais um bom resultado. Ingleses estão em desvantagem no momento, mas eu não os descartaria, ainda mais com Nico Hulkenberg precisando achar uma vaga para a próxima temporada.

Para finalizar, entre as novatas todo mundo corre para garantir o 2011, salvo Kovalainen que vai retornar com a Lotus. Timo Glock é outro que competirá, mas não esconde sondar o mercado por uma vaga melhor que a da Virgin. A situação dos brasileiros permanece inalterada, para o desespero deles. Não sabem se continuam no próximo ano, e a situação não parece melhorar, visto que De La Rosa já negocia com a Hispania.

Meu palpite furado será Vettel, Alonso e Kubica. Mas acho que Massa vai fazer uma boa corrida.