Rafael Suzuki
Rafael Suzuki talvez seja o maior exemplo de vencedor da Seletiva Petrobrás de kart

A cada ano fica mais difícil falar na renovação de pilotos brasileiros no cenário mundial. Por exemplo, os dois últimos a entrarem na F1 – Lucas Di Grassi e Bruno Senna – não têm certeza que irão participar da temporada 2011. Na GP2, o degrau abaixo, só sobrou Luiz Razia. Nem mesmo fugindo para a Indy a situação melhora.

Apesar de alguns estreantes no automobilismo americano nos últimos anos, os brasileiros acabam nas equipes mais frágeis do grid. Não tivemos um nome de peso para substituir Gil de Ferran e agora é a vez de Tony Kanaan estar ameaçado de não participar da categoria.

Contra esses números e previsões estatísticas tenebrosas para o Brasil no mundo do esporte a motor, os doze concorrentes para a o prêmio de 105 mil reais dado ao campeão da Seletiva Petrobrás de kart foram conhecidos.

Não que ganhar a competição tenha algum significado especial. Existente desde 1999, os pilotos com maior destaque que se tornaram campeões da seletiva foram Danilo Dirani, Sérgio Jimenez, Rafael Suzuki e Leonardo Cordeiro. Destes, Jimenez foi o que teve maior sucesso na carreira até agora ao fazer cinco ou seis provas de GP2.

Claro que nem sempre o campeão é o piloto de futuro mais promissor. Sem levantar o título, Mario Romancini e Bia Figueiredo participaram da seletiva e estrearam na Indy na atual temporada. Também correram César Ramos, líder da F3 Italiana; Felipe Nasr, campeão da F-BMW europeia em 2009; Felipe Guimarães, ex-A1GP, Indy Lights e GP3; e Pipo Derani, atualmente na F3 Alemã.

É justamente nesse grupo de pilotos onde estão depositadas as maiores esperanças do automobilismo brasileiro em um futuro próximo. Por isso mesmo, a importância em olhar quem são os doze kartistas da atual temporada.

Os concorrentes são: André Pedrali (PR), Felipe Donato (RS), Felipe Fraga (TO), Guilherme Salas (SP), Guilherme Silva (MG), Ítalo Leão (DF), Jean Aguiar (SP), João Câmara (GO), Johilton Pavlak (RN), Jonathan Louis (PR), Vinicius Perdigão (BA) e Victor Franzoni (SP).

Salvo Louis e Pavlak, o restante ainda se dedica totalmente aos karts. Contando com uma generosa ajuda de um especialista em kartismo, o Google, vejo que eles tem faixa etária entre 15 e 16 anos, o que é quase um pré-requisito para a competição. Assim, tempo para se desenvolver como piloto eles têm. Os 105 mil reais vão ajudar o vencedor a dar o primeiro passo nos monopostos.

E, para terminar, falando como torcedor, seria bom a sorte estar do lado deles. Afinal, Rubens Barrichello, Felipe Massa, Tony Kanaan, Helio Castroneves, João Paulo de Oliveira, Jaime Melo e Augusto Farfus, entre outros, não irão ficar para sempre no esporte.