Valentino Rossi
Valentino Rossi muda mais uma vez de fabricante em busca de desafio

Valentino Rossi confirmou logo após a etapa de Brno, neste domingo, dia 15, que irá disputar as próximas duas temporadas da MotoGP pela Ducati. O italiano mais uma vez muda de fabricante em um momento cujo equipamento que usa parece estar no auge do desenvolvimento.

Rossi é uma pessoa que gosta de desafios. Ele se entedia muito fácil em uma rotina. E vencer, vencer, vencer e ser campeão se tornou uma rotina para ele. Não é a toa que ele deixa a Yamaha no topo – assim como saiu de uma fortalecida Honda antes – para encontrar algum desafio na categoria.

Só uma coisa motiva Rossi na MotoGP: vencer os melhores pilotos do mundo. Dessa vez, o adversário mora debaixo do mesmo teto. É o companheiro de equipe Jorge Lorenzo. Rossi já demonstrava que não poderia compartilhar uma equipe com o espanhol, pois, segundo o piloto, “uma hora a equipe teria que escolher entre um dos dois”.

Pode parecer orgulho do italiano que não quer fazer a função de segundo piloto. Mas pensando pelo lado do Rossi entediado, se ele for o segundo piloto não vai ter condições de competir contra Lorenzo. Por outro lado, se o espanhol for “rebaixado”, não vai ter graça alguma vencê-lo.

Rossi então tomou a decisão de arrumar as malas e ir para a última equipe a vencer o caneco antes da atual sequência da Yamaha: a Ducati, que tinha acabado de perder Stoner para a Honda.

Além de uma aclimatação mais fácil na equipe do país, a mudança tem tudo para motivar Rossi. Agora são dois grandes adversários: Lorenzo com a Yamaha trabalhando para ele, e a Stoner com uma Honda querendo voltar a ser grande. Bom, se nada disso der certo, The Doctor pode aproveitar que já está na Itália e passar mais tempo com a Ferrari, que divide patrocinadores com a fabricante transalpina de motos.

A mudança de Rossi acaba também com o atual grupo de seis pilotos que competem nas três grandes equipes. Em 2005 e 2006, a MotoGP era dominada por Rossi além de alguns bons momentos de Nicky Hayden. Em 05, a então 250cc via quatro pilotos promissores dividirem as curvas: Dani Pedrosa, Jorge Lorenzo, Andrea Dovizioso e Casey Stoner.

Os quatro subiram para a MotoGP e se juntaram aos dois ex-companheiros de Honda formando os seis pilotos que disputam os campeonatos hoje em dia. Só que para o lugar do italiano na Yamaha, Ben Spies foi anunciado. Nesse momento, Hayden, Pedrosa e Dovizioso se olham esperando para ver quem vai sobrar. O compatriota de Rossi deve levar a pior já que o trabalho dele na Honda já era contestado faz algum tempo.