Trevor Bayne sorrindo
Trevor Bayne tem todos os motivos para sorrir depois do verão. Conseguiu bons resultados e de quebra entrou para a história

Quando chega o mês de julho, os pilotos da Nascar Nationwide Series começam a comemorar. Eles vão ter a melhor chance de chamar a atenção das grandes equipes da Nascar no período conhecido como o verão da Nationwide. São três provas seguidas – Gateway, ORP e Iowa – em que a categoria compete longe da Sprint Cup. Aumentando a chance dos jovens pilotos mostrarem serviço.

Só como exemplo: em 2005, Reed Sorenson, então novato na categoria, venceu em Gateway. Em 2007, Jason Leffler deu a primeira vitória à Toyota na Nationwide, em ORP, e no ano passado foi a vez de Brad Keselowski triunfar em Iowa, naquela que pode ser considerada a melhor exibição dele na ‘série de acesso’ até então. Os três, cedo ou tarde, acabaram recebendo alguma chance na Sprint Cup.

Esse ano, a temporada de verão não trouxe nenhum vencedor novo à categoria. Carl Edwards venceu em Gateway e Kyle Busch conquistou ORP e Iowa. Mas para as jovens revelações que buscam um lugar ao sol, as três corridas não foram de se jogar fora. Aliás, melhor dizendo, para uma revelação as três corridas serviram para entrar na história. Ele é Trevor Bayne.

Bayne se tornou o piloto mais jovem da história da Nationwide a marcar três pole positions seguidas, que é o recorde da categoria estabelecido por Sam Ard e igualado por Jeff Gordon, Mark Martin e Michael Waltrip. O último, por coincidência, patrão de Trevor.

Carro de Trevor Bayne na Nationwide
A chegada do novo patrocinador, OUT! Pet Care, impulsionou Bayne aos bons resultados

Só que Bayne não marcou apenas a pole position, ele foi um candidato a vitória em todas as provas, brigando de igual para igual com os pilotos da Sprint Cup e promovendo bons duelos com Kyle Busch, que há tempos não víamos. (Só um pequeno dado curioso, o maior rival de Bayne nas categorias de acesso foi Brian Ickler, que é piloto da equipe de Busch na Truck Series).

Em Gateway, Bayne liderou em três oportunidades somando 19 voltas na frente e terminou em terceiro atrás apenas de Edwards e de Sorenson, pilotos da Sprint Cup. Em ORP, foi o quarto, liderando 55 voltas em dois momentos, ficando atrás de Busch, Edwards e Almirola, todos com experiência na Sprint.

E, em Iowa, Bayne não foi tão bem. Terminou “apenas” em quinto depois de liderar 21 voltas em duas oportunidades e protagonizando um duelo lado a lado com Kyle Busch por nove giros. Na frente, só Busch, Harvick, Keselowski e Leffler. Os bons resultados se refletem no campeonato. O piloto, antes de Gateway, era o 11º com mais de 100 pontos atrás dos TOP 10. Saindo de Iowa, é o oitavo, com 140 de vantagem para o 11º.

Em uma temporada chatíssima marcada pela superioridade de Kyle Busch e da equipe de Joe Gibbs nas corridas, e da diferença superior a 200 pontos de Keselowski no campeonato, Trevor Bayne é a esperança de alguma diversão para quem ainda acompanha a categoria. De resto, fica a torcida para que o piloto consiga novos bons resultados durante o restante do ano e que consiga alcançar o sucesso e a Sprint Cup.

Detalhe do carro de Trevor Bayne
O patrocinador de Trevor é um lugar que cuida do seu pet quando você viaja. Ok. Mas porque tem um cachorro sendo atropelado pela roda, na lateral da pintura?

Bola dentro da equipe Diamond-Waltrip, que renovou com David Reutimann e trouxe Martin Truex Jr, na Sprint Cup, colocou Bayne parra correr a temporada toda na Nationwide e ainda tem Ryan Truex na busca pelo bicampeonato na East Series.

Por outro lado, a Nascar precisa urgentemente tirar os pilotos da Sprint Cup da categoria de acesso. Ninguém mais aguenta ver Busch-Harvick-Edwards-Keselowski monopolizando a categoria antes de correr na Sprint no dia seguinte.