Rodrigo e Ricardo Sperafico
Rodrigo e Ricardo, ou seria Ricardo e Rodrigo Sperafico? Eles estão de volta à Stock Car juntos

Eu não falo muito da Stock Car Brasil por aqui. Não é nenhum preconceito (mentira, é sim), mas o fato é que eu não acompanho muito a categoria por aqui. Assistir pela Globo é um exercício de paciência já que sempre ficamos com um pé atrás em relação a sermos interrompidos por uma reportagem sobre algum esporte tão imponente quanto a Stock, ou sobre a vida social dos jogadores de futebol.

Essa semana, no entanto, duas notícias com o mesmo título me chamaram a atenção. Elas diziam “R. Sperafico retorna à Stock Car na etapa de Salvador”. Pergunto. Quem volta à categoria?

Piada à parte, tanto Ricardo quanto Rodrigo Sperafico, por coincidência, voltam à pista no mesmo final de semana. Mais coincidência que isso, só se fossem gêmeos. Aliás, peraí, eles são! Na stock,  Rodrigo vai substituir a Thiago Marques na equipe Mico’s, enquanto Ricardo entre no lugar de Betinho Gresse na Hotcar.

As carreiras de ambos, assim como ocorre normalmente em se tratando de gêmeos, foram bem parecidas. Correram juntos de F-Ford inglesa em 1997, participaram da F3 Sudam em 98 e 99, se mudaram para a Fórmula 3000 italiana em 2000, antes de fazerem duas temporadas na F3000 Internacional.

Ricardo ainda fez mais uma temporada na categoria, ao ser vice-campeão em 2003, antes de uma temporada apagada na ChampCar em 2005, quando correu pela fraca Dale Coyne. Enquanto isso, Rodrigo tentara a sorte na World Series by Nissan (hoje, Renault), mas voltando ao Brasil pouco tempo depois.

Os dois chegaram a dividir equipe na Stock Car em pelo menos uma oportunidade quando eram do time de Ricardo Zonta. Se a memória não falha, na época, Ricardo era o piloto titular e Rodrigo substituiu o chefão, que se dedicava a compromissos internacionais.