Sebastian Bourdais e Lyon na Fórmula Superleague
Nuvens carregadas no caminho de pilotos e equipes franceses na Fórmula Superleague

Que a seleção francesa de futebol decepcionou na Copa do Mundo da África do Sul, não é nenhuma novidade. Os bleus marcaram apenas um gol e somaram apenas um ponto, graças ao empate na estreia contra o Uruguai. Como resultado da péssima campanha, eles mudaram de técnico – saiu Raymond Domenech, entrou Laurent Blanc – e o presidente Nicolas Sarkozy decidiu que nenhum atleta poderia ser premiado por ter ido à Copa.

O que ninguém imaginava é que o fraco desempenho francês tivesse reflexo na Fórmula Superleague. Uma série de coincidências envolvendo pilotos e times franceses mostraram que a crise não ficou apenas no esporte com a bola.

A Superleague voltou à pista nesse final de semana, em Zolder na Bélgica, para o sexto round da temporada. A primeira ausência notada foi a da equipe francesa do Lyon. A equipe de Laurent Redon, que representa o time de futebol, decidiu não competir nesse round enquanto não achassem um substituto para o também francês Sebastian Bourdais, que decidiu deixar a categoria.

Rival do Lyon nos campos franceses, o Bordeaux também perdeu o piloto para a etapa belga da Superleague. Franck Montagny saiu o time, que encontrou um substituto a tempo: Jaap van Lagen, experiente holandês que corria no WTCC.

Nem mesmo o Flamengo escapou da zica francesa. O titular da equipe era Franck Perera, nascido em Montpellier, que vinha conquistando bons resultados para o rubro negro carioca, e acabou sendo substituído pelo britânico Duncan Tappy.

De cinco pilotos franceses, restaram apenas dois na etapa belga:  Julien Jousse, que defende as cores do italiano Roma, e Tristan Gommendy, que compete pelo turco Galatasaray. Agora resta saber quem vai sair primeiro da crise. Serão os franceses do futebol, ou os pilotos e equipes da Superleague?