Traçado de Valência
Como todo circuito de rua, Valência é um lugar marcado pela beleza, mas não pela emoção

Valência é a sede da nona etapa da F1. Não a Valência da pré-temporada que se orgulha do Circuit Ricardo Tormo, mas sim a Valência portuária cujo traçado de rua foi feito por Hermann Tilke. E falando em provas de ruas com uma mãozinha de Tilke, estamos falando de filas indianas e um certo marasmo.

Nem mesmo São Pedro vai colaborar nesse final de semana, já que pela primeira vez na temporada a previsão é de tempo bom. Só que no Canadá, duas semanas atrás, o sol também esteve presente. Por que não podemos ter uma boa prova agora? Em Montreal, os pneus se desfaziam muito rapidamente, obrigando equipes e pilotos a irem aos boxes constantemente apostando em variadas estratégias. A Bridgestone gostou da ideia e disse que irá repetir a dose. Apenas na Alemanha.

Para não ficar tão chato, os espectadores poderão observar a bela paisagem da cidade portuária, assim como os grandes iates que estarão por lá.

Já na pista, a emoção fica por conta pela briga pelo campeonato. A McLaren vem de duas dobradinhas seguidas que colocaram Hamilton e Button na ponta do campeonato, só que em Valência a situação pode mudar. O duto frontal (f-duct) não deve ser um fator essencial da corrida já que a pista não tem grandes retas nem pontos de ultrapassagens.

Em busca de um bom resultado, fazer uma boa volta no treino classificatório é obrigatório. Com sete pole positions no ano, a Red Bull entra como favorita mesmo após o fraco desempenho na última etapa. Ainda na turma da frente, Kubica e Rosberg tentam surpreender ao passo que a Ferrari vem motivada para a etapa após a contratação do diretor Pat Fry, que trabalhava no carro 2011 da McLaren. Vale lembrar que Massa já venceu em Valência e Alonso é espanhol.

No meio do pelotão, a Williams tenta fazer valer o novo duto frontal, já a Force India conta com o poderoso motor Mercedes aliado ao f-duct já instalado no carro. Em contrapartida, a Toro Rosso é só (e somente) animação pelo bom desempenho de Buemi no Canadá. Contra todos estes está Pedro de la Rosa, o único piloto das equipes tradicionais a não ter marcado ponto ainda.

Entre as novatas, a Virgin fala em diminuir a diferença para Lotus e se distanciar da HRT, mas o que se vê na prática é a Hispania sendo constantemente mais rápida que os britânicos. Enquanto isso, na equipe malaia, Kovalainen, após três abandonos nas últimas quatro corridas, luta para voltar à boa fase do início do campeonato quando alcançou as melhores posições (13º em Melbourne) dentre os novos times até agora.

Meu palpite é Vettel, Button e Webber. Será que enfim acerto uma?