Jack Roush
Jack Roush está preocupado com as apresentações dos pupilos

Chapéu de palha, óculos e camisa branca. A figura de Jack Roush é inconfundível na Nascar. O homem está na categoria desde 1988 e nesses 22 anos soube reciclar-se para manter a Roush Fenway Racing sempre entre as equipes vencedoras.

Vendo o nome da equipe, a gente já percebe as mudanças na estrutura. Roush, logicamente, vem de Jack, mas e o Fenway?. A Fenway Sports Group é um grande investidor em marketing esportivo que também está presente na Premier League e na Professional Bull Riders, além de dar nome ao templo do baseball na Costa Leste dos Estados Unidos: o Fenway Park, casa do Boston Red Sox. Agora o grupo também está na Nascar.

E essa não foi a primeira vez em que Jack Roush fechou um grande acordo para capitalizar recursos. O patrocínio da Viagra para Mark Martin, no início dos anos 2000, ao lado da UPS na Robert Yates Racing, bateu todos os recordes financeiros do esporte e foi um dos responsáveis por tornar a categoria cara e inviável para pequenos investidores.

Falando em Martin, Roush é especialista em revelar bons pilotos. Foi ele quem trouxe Mark Martin para a Sprint Cup, assim como deu oportunidades a então jovens como Jeff Burton, Matt Kenseth, Greg Biffle, Carl Edwards e Kurt Busch, sendo que Kenseth e Busch foram campeões. No entanto, todos disputaram as categorias de base – ARCA, Nationwide e Truck Series – pela Roush.

Após tanto sucesso, a temporada 2010 chegou para a equipe, e Jack Roush já estava preparando uma nova leva de pilotos. Na temporada passada, já colocara Erik Darnell para competir na Nationwide. O piloto aproveitou a chance e estreou na Sprint Cup no final do ano. Infelizmente, não conseguiu bons resultados e voltou ao esquecimento. Neste ano, Colin Braun e Ricky Stenhouse Jr foram os escolhidos para correr na categoria de acesso.

Colin Braun e Steve Wallace em Bristol
Carros destruídos semana após semana fizeram Jack Roush repensar a posição de Ricky Stenhouse Jr e Colin Braun

Só que os dois pilotos bateram mais do que terminavam as provas. Nas primeiras dez corridas, Stenhouse sofreu nove grandes acidentes. Braun bateu menos, mas para ele a gota d’água chegou antes. Jack Roush não perdoou o piloto após um acidente em que ele colocou o companheiro citado acima para fora da prova no Texas.

Como resultado, Braun foi barrado e agora só participa das provas em que a Con-way Freights e a 3M patrocinam o Ford número 16. Nas demais, Matt Kenseth assumiu o controle do equipamento e já o posicionou entre os 30 primeiros da Nationwide, tarefa que o jovem piloto falhou em cumprir. Para Charlotte, Roush fez uma nova mudança no time: trouxe Brian Ickler, que corria na Truck Series pela equipe de Kyle Busch.

Ainda não se sabe se Ickler fará outras provas além da de Charlotte. Mas parece que Jack Roush, preocupado com a renovação da equipe, aumentou o leque de opções para os cobiçados Fords da Sprint Cup, já que estava descrente quanto a qualidade de seus pupilos de longa data.

Terá Brian Ickler melhor sorte que Colin Braun? Vale lembrar que o novo piloto da equipe é conhecido por ser muito rápido, mas também por destruir muitos carros. Embora, em 2010, ele parece ter tomado jeito e terminou entre os cinco primeiros nas duas corridas em que substituiu Kyle Busch.

Já Braun vive um momento delicado. Os melhores resultados da temporada vieram após ter sido barrado. Na controversa prova do Texas terminou em 13º e conseguiu um TOP 10 em Dover, na última semana.